Recém-mães podem não querer receber visita, e tudo bem | Macetes de Mãe

Recém-mães podem não querer receber visita, e tudo bem


17 de dezembro de 2019

Fazer visita a um recém-nascido é um assunto que pode gerar bastante controvérsia. Todas (ou pelo menos quase todas) sabemos que é importante nos portarmos com bom senso e respeito à mãe e aos familiares próximos. Mas mesmo assim, uma visita pode ser incômoda ou até irritante.

Neste relato, que é uma livre tradução do site Scary Mommy, uma mãe conta a visão a respeito das visitas na maternidade ou em casa, do seu ponto de vista de recém-mãe. Leia, é muito interessante e nos faz refletir no que fazer, numa próxima visita a um recém-nascido.

Recém-mães podem não querer receber visita, e tudo bem

Por Caila Smith

Conforme me aproximei do final de cada uma das minhas gestações, um padrão nada sutil começou a se formar em mim. Relacionado àquelas pessoas que mal haviam me visto durante a gravidez, mas que diziam que não podiam esperar para “pôr as mãos no meu bebê” depois do parto… como se, no momento do nascimento dos meus bebês, um convite aberto fosse disparado para todo mundo do meu bairro.

É claro que fiquei grata por meus bebês já virem ao mundo amados, mas o pensamento de receber visitas enquanto eu estava no pós-parto me deu uma angústia mortal.

Eu não suportava a ideia de ter que entreter alguém, assim que acabara de dar à luz. Eu não queria me preocupar com o estado de ser da minha casa. Eu não queria me preocupar em me esconder quando estava tentando dar de mamar. Na verdade, eu não queria sentir nada além de ser uma recém-mãe se deliciando num momento particular com os meus recém-nascidos.

Mas as coisas não ocorreram como eu esperava. As pessoas não davam a mínima para mim como uma nova mãe e, de forma muito egoísta, só enxergavam seus próprios desejos. Quando tentei passar algum tempo com meus recém-nascidos, fui considerada “controladora” por querer ficar sozinha com eles. Eu era o “vilão” da história. (Juro, alguns familiares e amigos choraram mais do que meus bebês.)

Independente de como os outros se sentissem, definitivamente visitantes não era o que eu queria. E mesmo que eu fosse a única responsável por colocar essas expectativas desnecessárias em mim, a respeito dos visitantes, isso não deveria ter importado. Meus hormônios estavam em fúria, meu estado mental pós-parto era vulnerável, na melhor das hipóteses, e eu sentia uma dor física horrível depois de todos os meus partos. Isso deveria ter sido mais do que suficiente para que os meus desejos fossem levados em consideração, sem serem rotulados como egoístas ou controladores.

Leia também: 15 dicas de boas maneiras para visitas um recém-nascido

Acabei de dar à luz. Pelo amor de Deus, tudo que eu queria era apenas VIVER ESTE MOMENTO.

Por isso, curta o momento. Fique quieta e mergulhe nesse turbilhão de novidades. Seja contente. Seja uma aprendiz, uma recém-mãe sozinha. Fique sozinha. Esteja com a criança pela qual você orou, cantou, leu e cresceu junto, no período que pareceu um trilhão de meses.

Parece que receber visitas se tornou uma entre um milhão de outras intermináveis ​​e novas tarefas de mãe. Porque, sejamos totalmente honestas, quando as visitas vêm para “ajudar” o novo bebê, é algo tão incrivelmente raro, porém são realmente úteis de qualquer maneira que ajudarem. Mas em geral, as visitas não estão apenas lavando a louça. Elas não estão apenas dobrando a roupa. Elas não estão apenas tirando os outros filhos pendurados no cabelo da mãe durante o dia. E, se isso é intencional ou não, a maioria das visitas não estão ajudando as recém-mães. Elas estão apenas visitando. Elas estão lá para segurar seu bebê enquanto se envolvem em conversas sem muito propósito e irritantes.

Para alguns, como eu, é muito estressante, mesmo quando não deveria ser. Isso não ajuda em nada e provavelmente a mãe é a que mais sofrerá. Porque, de alguma forma, esquecemos como apoiar as recém-mães. Ficamos tão impressionadas com o recém-nascido que cuidamos da nova mãe em segundo plano. Não consideramos mamas modestas que estão lutando a vida para amamentar; mesmo que isso não cause desconforto às vezes, as mães não querem companhia enquanto elas se sentam com o peito nu ao ar livre.

É insensato acreditar que uma nova mãe é egoísta por querer ficar sozinha enquanto fica de topless em sua cama o dia todo. Porque estar cercada por nada além de família, lanches, bombinhas de leite, um recém-nascido fofinho e um incrível programa da Netflix é onde uma nova mãe deve estar. O toque íntimo de uma mãe libera endorfinas na nova mãe e no bebê. Ele regula o calor corporal do recém-nascido, promove a produção de leite materno e, ao mesmo tempo, estabelece um vínculo saudável entre mãe e bebê. Tenha certeza, as novas mães não estão sendo mesquinhas, elas somente sabem que o poder do toque íntimo delas é muito mais benéfico para elas e para o bebê do que o toque de qualquer outra pessoa.

Veja também: 10 regras de etiqueta para quem vai visitar um recém-nascido

Mães pós-parto estão se curando. Eles empurram seu corpo ao ponto de total exaustão, além de tolerar toda a dor do parto, e ficam com a necessidade de descansar enquanto se “curam” por muitas semanas. Eles não estão dormindo direito, estão se adaptando a uma nova vida a toda velocidade e a primeira coisa que se ouve de outra pessoa é: “Quando posso ver o bebê?”

Às vezes as novas mães não querem compartilhar seu bebê. Talvez elas tenham um histórico passado de aborto e não desejem perder um momento sequer durante esses dias com o novo bebê. Talvez elas tenham uma ansiedade horrível e não queiram se recuperar sentadas na beira da cama do hospital enquanto outra pessoa segura o recém-nascido. Ou talvez, apenas talvez, essas novas mães não apresentem uma razão para isso… E tudo bem.

Eu estive nos dois lados do espectro, aquele na cama do hospital, cheia de um sentimento tão desagradável por ter que dizer aos visitantes que não deviam estar ali, como aquele na sala de espera, ansiosa para entregar um presente de bebê embrulhado numa linda embalagem. Eu entendo a emoção. Verdadeiramente eu entendo. Quem não quer amar todos os recém-nascidos do mundo?

Mas o tempo pós-parto da mãe não deve ser uma batalha entre escolher o que é necessário para a nova família e o que é desejado de todos os outros.

A experiência pós-parto de outra pessoa é exclusiva dela.