Toda gestante deve tomar a vacina contra a coqueluche. Você sabia disso? | Macetes de Mãe

Toda gestante deve tomar a vacina contra a coqueluche. Você sabia disso?


29 de maio de 2018

O post de hoje é daqueles de utilidade pública, que deve ser compartilhado para chegar ao maior número possível de mulheres – principalmente aquelas que estão grávidas e ainda têm chance de se proteger e protegerem seus bebezinhos contra a coqueluche.

Infelizmente, em nosso país, caiu drasticamente o número de gestantes que tem feito a vacina contra a coqueluche durante a gravidez. No ano passado, para vocês terem uma ideia, a cobertura caiu para 38%. Um número verdadeiramente alarmante, considerando-se os riscos da doença para a mãe e, principalmente, para o bebê.

Vou começar dizendo o principal: todas, absolutamente todas as gestantes devem se vacinar contra a coqueluche, de preferência entre a 20 e a 36 semana de gestação, porque esse é o período em que ocorre a maior transferência de anticorpos da mãe para o feto. E esse cuidado não deve ser tomado apenas uma única vez na vida. Caso a mulher tenha mais de uma gestação, é importante que ela tome a vacina cada uma das vezes que ficar grávida.

Essa vacina é totalmente segura para as grávidas e para o feto e é distribuída gratuitamente na rede pública de saúde. Basta a gestante chegar com a sua carteirinha do SUS e carteirinha de vacinação para tomar a dose (caso não tenha a carteirinha do SUS, ela pode ser feita na hora. Se não tiver a carteirinha de vacinação, a gestante se vacina da mesma forma e leva para casa um comprovante). Se preferir, a vacina está disponível também na rede privada e ela é absolutamente igual à vacina distribuída na rede pública.

Uma das coisas que torna essa vacina tão importante durante a gestação é que ela, além de proteger a mãe, também transfere os anticorpos para o bebê por meio da placenta, imunizando-o nas primeiras semanas de vida até que a criança possa tomar a vacina, o que acontece por volta dos 2 meses de vida.

Também é superimportante as mães se vacinarem contra a coqueluche porque elas são a principal fonte de infecção entre bebês. Isso porque, é claro, existe uma proximidade muito grande entre eles, e como a doença é transmitida através de gotículas de saliva, é natural que a doença passe de mão para filho com enorme facilidade!

A coqueluche é altamente contagiosa e causada pela bactéria Bordetella pertussis, que ataca e compromete o aparelho respiratório (principalmente traquéia e brônquios). Ela é mais perigosa em bebês, justamente quando eles não têm anticorpos contra a doença a não ser que a mãe tenha se vacinado.

E quais são, afinal, os sintomas da coqueluche?

Os primeiros sintomas da doença incluem coriza, febre baixa, tosse leve e ocasional e apneia (em bebês) e podem durar de 1 a 2 semana. Além disso, a coqueluche, em seus estágios iniciais, pode ser confundida com um resfriado comum. Geralmente ela não é diagnosticada até que os sintomas mais severos apareçam, o que é um enorme perigo!

Quanto às complicações da coqueluche, elas podem incluir sinusite, pneumonia, otite média, perda de peso, incontinência urinária, fratura de costela e até desmaio. Ainda, acho superimportante salientar que mais de 90% das crianças menores de 2 meses que contraem a coqueluche são hospitalizadas devido a complicações associadas à doença. Ou seja, com essa doença, realmente, não dá para bobear.

Então mamães, um apelo: zelem pela sua saúde e pela saúde dos seus filhos e vacinem-se contra a coqueluche. De preferência entre a 20 e a 36 semanas de gestação. E lembrando que esse cuidado deve ser tomado em todas as gestações. Ok?

Caso você tenha ficado com alguma dúvida, converse com o seu obstetra ou procure o posto de saúde mais próximo para se informar a respeito.

Algumas informações sobre a vacina contra a coqueluche:

O Calendário de Vacinação do Programa Nacional de Imunizações (PNI) recomenda para a gestante a administração de 1 dose de dTpa (Difteria, Tétano e Coqueluche Acelular) a partir da 20ª semana de gestação, a cada gestação.9 Além do PNI, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) e a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) também recomendam a vacinação de dTpa a partir da 20ª semana de gestação, a cada gestação.9-11

Gestantes nunca vacinadas e/ou com o histórico vacinal desconhecido, devem fazer duas doses de dT e uma dose de dTpa. Deve-se apenas garantir que a dTpa seja feita após a 20ª semana de gestação, e que o intervalo entre as doses seja de pelo menos 1 mês.

Em caso de dúvidas, converse com o seu médico. Ok?