A euforia pós-parto é comum, mas quase ninguém sabe sobre isso | Macetes de Mãe

A euforia pós-parto é comum, mas quase ninguém sabe sobre isso


2 de julho de 2019

Você já ouviu falar em euforia pós-parto? O nome é sugestivo e parece ser muito legal e contagiante, mas pode se agravar para um problema sério.

No texto abaixo, uma livre tradução do site Scary Mommy, você pode conhecer um pouco mais sobre esse assunto. Leia, saiba mais e conheça as formas de detectar esse distúrbio.

A euforia pós-parto é comum, mas quase ninguém sabe sobre isso

Por Wendy Wisner

Quase todos nós já ouvimos falar de depressão pós-parto – afinal, uma em cada sete mulheres experimentará isso. Nos últimos anos, muitos de nós aprendemos que a ansiedade pós-parto pode ser tão comum (ou até mais comum) do que a depressão pós-parto.

A consciência importante também está crescendo a respeito de um distúrbio de humor pós-parto mais raro, mas igualmente grave, a psicose pós-parto, que pode ser caracterizada por mania, paranoia, delírios, alucinações e mudanças rápidas de humor – e que requer atenção médica imediata.

Mas há um distúrbio pós-parto menos conhecido que está apenas começando a chamar a atenção, e que eu tenho um palpite de que você provavelmente nunca ouviu falar. É chamada de ‘euforia pós-parto’, mas é frequentemente referida como hipomania pós-parto, ou “o bebê rosa”.

Agora, usar palavras como “euforia” ou “rosa” pode levar você a acreditar que a euforia pós-parto é uma coisa boa – e muitas mulheres que a experimentam pensam o mesmo. Mas isso não é.

A euforia pós-parto é, na verdade, um grave problema de saúde mental pós-parto que poderia levar a problemas ainda mais graves, como a psicose pós-parto. O fato de quase ninguém ter ouvido falar do distúrbio – e que muitos dos seus sintomas se parecem com comportamentos positivos – significa que pode ser realmente difícil para as mães no pós-parto serem diagnosticadas e tratadas adequadamente.

A escritora Briana Bell, mãe de três filhos, descreveu sua experiência com a euforia pós-parto em um artigo no The Huffington Post. Bell compartilhou que ela sofreu depressão pré-natal (depressão durante a gravidez) que foi muito intensa, e para a qual ela recebeu tratamento. Quando sua filha nasceu, ela ficou feliz em aliviar seus sentimentos de depressão e, em vez disso, começou a se sentir um “altamente poderosa”.

Leia também: Depressão pós-parto – como ajudar as mães a se sentirem melhor

“Quando fomos liberados do hospital, quando minha filha tinha 24h de idade, fui inundada com uma quantidade intensa de energia”, escreve Briana, que se lembra de se mover sem parar, entreter convidados e até implorar para o marido levá-la em uma passeio ao shopping… quando ela foi menos de uma semana após o parto. “Eu não conseguia acreditar em como me sentia bem”, lembrou Bell.

Mas era bom demais para ser verdade. A euforia de Bell e a energia ilimitada fizeram com que ela caísse e desmaiasse enquanto amamentava sua bebê. Ela teve de ser levada para a sala de emergência. E ela foi instruída a diminuir a velocidade para poder descansar e se recuperar.

Bell diz que, embora felizmente pudesse aceitar esse conselho, essa energia sem limites não se dissipou por mais algumas semanas. E ela não foi formalmente diagnosticada com euforia pós-parto até vários meses depois, quando se deparou com o termo euforia pós-parto / hipomania. E então procurou seu médico para esclarecimentos.

“Todos esses meses eu vivi com a culpa e a vergonha daqueles primeiros dias do parto. Mas, na verdade, eu estava sofrendo de um grave problema de saúde mental”, diz Bell.

Bell está agora em uma missão para divulgar a euforia pós-parto para que outras mães possam ser diagnosticadas mais cedo e obter o tratamento adequado e que merecem. “Compartilho minha história de euforia pós-parto porque quase todas as pessoas que ouvem isso ainda não ouviram falar desse transtorno específico”, diz Bell.

Você também pode gostar: Depressão pós-parto – eu conto a minha experiência

Então, o que é euforia pós-parto e como você sabe se você ou uma conhecida pode estar passando? Aqui estão alguns fatos:

– De acordo com a Neuropsiquiatria, cerca de 1 em 10 mulheres apresenta sintomas de euforia pós-parto (hipomania).

– Mulheres que sofrem de euforia pós-parto podem parecer “Supermães”. Ou seja, cheias de energia, capazes de funcionar com pouco sono e geralmente exultantes e hiperativas.

– As mães podem exibir comportamentos impulsivos, começar a falar rapidamente e podem sentir pensamentos acelerados e incapacidade de se concentrar.

– Clinic Change, uma clínica de saúde mental no Canadá, afirma que os sintomas geralmente começam logo após o nascimento e podem continuar por 6-8 semanas após o parto.

– Causas de euforia pós-parto podem incluir estresse, flutuações hormonais, trauma, uma história de problemas de saúde mental e falta de apoio.

– Especialistas ainda estão aprendendo sobre a euforia pós-parto. Mas alertam que pode ser um precursor da psicose pós-parto / transtorno bipolar pós-parto, uma doença mental muito séria que pode colocar mães e bebês em perigo.

– A Clinic Change recomenda que, se você perceber algum desses comportamentos em suas conhecidas, procure tratamento médico imediatamente.

– Em alguns casos, a terapia, a modificação do estilo de vida e o suporte são tratamentos eficazes o suficiente; em outros casos, a medicação deve ser combinada com estes para o tratamento funcionar.

Eu acho que a maior conclusão é que a euforia pós-parto é relativamente comum. Afinal, 1 em cada 10 mães é um monte de mães! Mas quase ninguém sabe nada sobre isso. Precisamos mudar esse quadro.

Em geral, pouca atenção é dada às lutas das puérperas. E, quando se trata de preocupações com saúde ou saúde mental, as consequências de não prestar atenção podem ser graves.

Veja também: As 10 lições que eu tirei da depressão pós-parto

O outro aspecto marcante disso: como é fácil confundir a euforia pós-parto como algo totalmente positivo – totalmente desejável, na verdade. Quer dizer, quem não quer ser uma “supermãe pós-parto”?

“Em um mundo que celebra os super-heróis, é fácil celebrar uma mulher pós-parto vibrante com energia intensa. Em vez de ver isso como o sinal de alerta que é”, escreve Bell.

Precisamos dissipar o mito de que as mulheres supostamente são super-heroínas, especialmente quando acabaram de ter um bebê. Mas acima de tudo, todos nós precisamos estar cientes das necessidades sérias que as mulheres no pós-parto têm. Tanto física quanto mentalmente.

E então precisamos cuidar delas com muita atenção, experiência e amor. Por elas e para os bebês que elas trazem para o mundo.