Eu odeio a percepção da sociedade sobre a mãe dona de casa | Macetes de Mãe

Eu odeio a percepção da sociedade sobre a mãe dona de casa


27 de agosto de 2019

Muitas mães se incomodam com o fato de serem dona de casa. Isso se deve pelo julgamento que muitas pessoas ainda fazem por essa opção que a mãe escolheu.

No texto abaixo, uma livre tradução do site Scary Mommy, leia o relato de uma mãe que sofre com esses julgamentos. E reflita que o importante, é a mãe ter consciência e certeza das suas escolhas. E viva intensamente e segura no caminho que escolheu.

Eu odeio a percepção da sociedade sobre a mãe dona de casa

Por Tania Lorena Rivera

Do outro lado da sala lotada, meu marido pisca para mim. Segurando um copo de vinho em uma mão e deixando a outra pendurada pelo polegar no bolso de sua calça, ele volta sua atenção para seu interlocutor, que deve ter dito algo divertido para fazê-lo rir. Engraçado e perspicaz, meu marido não perde o ritmo e volta com sua própria resposta, fazendo com que o pequeno grupo reunido em torno dele ria em voz alta. Ele está em seu elemento. Reuniões sociais são seu domínio e ele brilha aqui. Sempre sabendo como quebrar o gelo com estranhos ele, enfim, mergulha em eventos sociais como um peixe na água.

A piscadela que ele me deu foi um aceno reconfortante para mim. No lado oposto da sala, encolho-me em um canto e evito contato visual com todos. Eu me deixo imperceptível e me ocupo com meus filhos para desencorajar as pessoas a conversarem comigo. Eu também mergulhei neste ambiente. Mas mais com a tapeçaria decorando as paredes do que com qualquer pessoa presente nessas reuniões.

Ao contrário do meu marido, não sou grande em eventos sociais. Não é que eu seja tímida ou antissocial, só que não gosto de participar dessas coisas. Não me entenda mal, mesmo sendo uma pessoa caseira, gosto de me vestir bem de vez em quando. Um pouco de maquiagem, um penteado chique e uma roupa bonita são suficientes para trazer de volta a garota que eu costumava ser; antes do casamento e das crianças. E portanto, como mágica, o brilho reaparece nos olhos do meu marido, como ele reconhece mais uma vez, atrás da esposa e da mãe, a garota por quem ele se apaixonou.

Eu gosto de sair

Eu gosto de sair. É o encontro de novas pessoas e as mesmas conversas inevitáveis ​​de sempre. Todos eles começam promissores. Algumas saudações educadas, pequenas amabilidades, depois todas elas dão uma virada abrupta para um beco sem saída e param bruscamente. O culpado? Uma pequena frase convencional que eu espero e desprezo. Assim que esta frase é proferida, as amabilidades cessam e o constrangimento e o desconforto começam.

“O que você faz para viver?” São as palavras fatídicas. Eles são uma coisa certa em tais eventos. Inevitável, como a morte e os impostos.

Leia também: Voltar ou não ao trabalho após a licença maternidade: nem sempre a escolha é da mãe

Eu me encolho por dentro toda vez que os ouço. Por isso, eu aprendi a ter sempre uma bebida na minha mão para me permitir tomar um grande gole e comprar alguns segundos preciosos para criar algo interessante para manter a conversa em andamento. Claro que nunca faço. Segue-se um debate interno sobre se posso ou não mentir. Talvez eu consiga tirar uma típica resposta cinematográfica em que o personagem principal disfarça a verdade em um assunto engraçado.

“Ah, eu sou realmente a CEO de uma pequena empresa. Apenas três funcionários e um cachorro!” Imagino-me dizendo com um sorriso divertido. Mas esse tipo de linha não se sustenta em uma conversa real e, por isso, resigno-me a dizer a verdade.

“Eu sou uma dona de casa”, eu respondo, mostrando meu melhor sorriso. Isso nunca funciona. A pessoa que está recebendo isso sempre me olha de volta como se eu tivesse dito que me visto como um palhaço para viver. Eles me dão uma resposta rápida ao longo das linhas de como é maravilhoso estar com as crianças, e elas se desculpam com a conversa. Eu não os culpo. Eu sei que sou a pessoa estranha. Nesta sala repleta de indivíduos motivados pela carreira, encontrar um anacronismo como eu pode ser desconcertante.

Leia também: Por que toda mãe precisa de um planejamento pós-parto?

Mesmo em meu próprio círculo de família e amigos, eu sou a única dona de casa e meu status ainda provoca desaprovação de entes queridos que, como resultado, pensam que eu sou um desperdício por ficar em casa com meus filhos.

Olhares silenciosos e cheios de julgamento são lançados ao mim, pois sou percebida como dependente, vulnerável, sem ambição, fraca, acima de tudo, em situações como essas, desinteressantes. Não é capaz de entreter uma conversa inteligente que não envolva fraldas e horários de alimentação. Um mau olhar para uma mulher moderna. Mas seja em um evento familiar ou em uma sala cheia de estranhos, não deixo que essas suposições me incomodem.

Eu sei que sou mais do que essas pessoas me fazem ser. Sou confidente, aliada e amiga do meu marido. A protetora incondicional dos meus filhos e o cobertor de segurança deles. Eu sou a detentora de suas memórias, a guardiã dos seus segredos e a tecelã de sua felicidade. Eu sou o pilar sobre o qual eles estão, e a cola segurando esta casa juntos. Enfim, eu sou a cuidadora, a companheira de brincadeira, a parceira no crime. Além disso, eu ofereço uma casa acolhedora para meus filhos e um porto seguro para o qual meu marido pode vir e buscar refúgio do mundo exterior todos os dias. Eu sou sua esposa, eu sou a mãe deles, e o lar é onde eu brilho.