Como fiz o desmame do meu filho | Macetes de Mãe
desmame

Como fiz o desmame do meu filho


25 de outubro de 2018

Mamães, eu sempre comento que recebo muitos contatos de seguidoras compartilhando comigo suas dúvidas, preocupações e também sucessos em relação à maternidade. Gosto muito dessa troca, porque acredito que compartilhando nossas experiências podemos ajudar umas às outras. Dessa vez, chegou o depoimento da Fernanda, mãe do Theo, que compartilhou sua história sobre o processo de desmame.

Sabemos que essa fase do desmame gera muitas preocupações. Para algumas mulheres pode ser até mais difícil como o início da amamentação. Porque a amamentação é um grande fator de vínculo entre mãe e filho e o desmame é como se fosse o primeiro indício de desligamento entre ambos.

Achei muito natural e respeitosa a forma como a Fernanda fez o desmame do Theo e que agora você confere aqui no blog. Assim esperamos ajudar muitas outras mamães e bebês.

Como fiz o desmame do meu filho

“O processo de desmame do Theo, aconteceu aos 2 anos e 6 meses, e foi conduzido desde janeiro de forma gradual, suave e respeitosa.
Theo sempre mamou muito e quando ele completou 2 anos, decidi que era a hora de iniciar o processo de desmame. Tentamos o leite artificial. No entanto, ele não se adaptou.
O início da amamentação foi muito difícil. Ele nasceu bem pequeno e no dia da alta hospitalar, o pediatra da maternidade orientou entrar com leite artificial porque ele havia perdido mais de 10% de peso. Eu fiquei arrasada, chorei muito e decidimos que iríamos insistir com a amamentação. Meu marido foi muito companheiro e me apoiou neste processo. Embora o Theo mamasse muito, o ganho de peso era muito difícil, mas, mesmo assim acreditava que o leite materno seria o suficiente para ele.
Na primeira consulta com o pediatra, ele me incentivou a continuar com a amamentação… mesmo com os seios machucados e sentindo muita dor durante a amamentação, persistimos. O ganho de peso foi acontecendo aos poucos, nos mostrando que estávamos no caminho certo com a decisão pela amamentação em livre demanda e exclusiva. Aliás, essa é uma opção que requer tempo e muita paciência.
Quando descobri que estava grávida, li muito sobre amamentação e me preparei para esse processo. Porém, não tinha ideia de quão difícil seria no início. Eu, Theo e meu marido fomos insistentes e chegou o belo dia em que a amamentação passou a ser um momento gostoso. Mas até chegar esse momento, passamos por momentos de angústia. Encontrei um anjo, Marina Di Lucca, enfermeira, especialista em amamentação, que me auxiliou muito para seguirmos com a livre demanda.
Em relação ao processo de desmame, inicialmente deixamos somente a mamada antes de dormir e aos finais de semana, antes do soninho da tarde. Posteriormente, retiramos a mamada da noite e deixamos apenas o mamá aos finais de semana quando estávamos em casa. Como o Theo passa o dia na escolinha, o processo foi mais fácil. Aos poucos o mamá ficou como um carinho, que passou a ser dado eventualmente, de forma cada vez mais esporádica. Porém, com muita paciência e conversa.

Leia também: Como foi o desmame do Caê

Eu vinha conversando com o Theo há algum tempo. Foi um período de muito diálogo e aconchego. Aos poucos fui explicando a ele que ele não era mais um bebê. E que já comia todas as comidinhas gostosas da mamãe e não precisava mais do mamazinho. Contei uma linda estória de um bebê que foi muito desejado pelos pais, que esperaram muitos anos pela vinda dele. E que papai do céu enviou um bebê lindo, muito amado. E que o bebê mamava muito. Porém, este bebê foi crescendo e crescendo que chegou o dia em que não precisava mais do mamá. Mas que o colinho e o amor da mamãe sempre estariam ali para ele. Ao final da estória eu perguntei de quem era a estória e ele disse: do Theo. E no tempo dele, ele foi entendendo que a mamãe sempre estaria ali.
Durante alguns meses, ele ainda pedia o mamá aos finais de semana. E quando era necessário, contava a estória novamente. Em alguns momentos ele chorava e insistia no mamá. Eu o acolhia com todo o meu amor!!!
Até que chegou uma noite em que ele deitou no berço e disse que não precisa mais do mamá pra dormir.
Encerramos o processo da forma mais linda que poderia acontecer… com muito respeito e amor!!!
Abraços,
Fernanda