Como proteger seu bebê antes mesmo de ele nascer | Macetes de Mãe
Como proteger seu bebê

Como proteger seu bebê antes mesmo de ele nascer


27 de agosto de 2018

Um dos maiores cuidados que nós, mães, temos com nossos filhos logo depois que eles nascem é manter a carteirinha de vacinação em dia. Sabemos de cor que a primeira vacina é dada aos 2 meses e que até um ano o bebê irá tomar vacinas mensalmente. Evitamos colocar nossos filhos em contato com outras pessoas até que tenham tomado pelo menos a primeira vacina e assim por diante. Ou seja, o bebê nasceu, nós estamos cientes da importância e comprometidas com a vacinação dele.

Por que é que a gente não tem esse cuidado desde antes de o bebê nascer? Sim, é possível “vacinar” nossos filhos ainda na barriga. Há vacinas que, se a mãe tomar no período da gestação, irá, de forma indireta, proteger seu bebê com os mesmos anticorpos, já que eles passam para o feto através da placenta.

Infelizmente, a minoria das grávidas sabe disso. Só em 2017, a cobertura vacinal contra coqueluche (dTpa) em gestantes caiu para 38%. E esses números são alarmantes justamente pelo risco que ela representa para os bebês recém-nascidos. Portanto, vou explicar isso melhor.

Até 2 meses de idade, o bebê não está protegido contra a coqueluche. A primeira dose contra essa doença só é dada no segundo mês de vida. E depois, a segunda e terceira doses são dadas no quarto e sexto mês. Além disso, essa é uma doença de fácil e simples contágio e, pior, a mãe é uma das principais fontes de infecção entre bebês. Isso porque, é claro, existe uma proximidade muito grande entre eles e, como a doença é transmitida através de gotículas de saliva, é natural que a doença passe de mãe para filho com enorme facilidade (mais um motivo importantíssimo para a gestante se vacinar!)

Ou seja, até 2 meses de idade, a criança só terá uma proteção maior contra a coqueluche se a mãe tiver tomado a vacina na gravidez. E aí, volto a reforçar: toda gestante, deve tomar a vacina contra a coqueluche em todas as suas gestações. Absolutamente todas as gestações. Isso porque, justamente vacinando-se enquanto estiver grávida, ela poderá passar os anticorpos para o bebê através da placenta. Por isso, não adianta achar que tomando na primeira gestação apenas está tudo certo. Nesse caso, os próximos bebês não estarão protegidos.

A coqueluche é uma doença extremamente séria e perigosa. Mais de 90% das crianças menores de 2 meses que contraem a coqueluche são hospitalizadas devido a complicações associadas à doença, como pneumonias, atelectasia, broquietasia, enfisema, pneumotórax, ruptura de diafragma, apneia, encefalopatia aguda, convulsões, coma e, além disso, hemorragias intracerebrais, hemorragia subdural, hemorragias subconjuntivais, epistaxe, edema da face, hérnias, desidratação e/ou desnutrição (devido a vômitos frequentes pós-crise).

Por isso, mamães, deixo aqui meu alerta, mais uma vez (já falei sobre a importância da vacinação aqui no blog há alguns meses): todas as gestantes devem se vacinar contra a coqueluche, de preferência entre a 20ª e a 36ª semana de gestação, porque esse é o período em que ocorre a maior transferência de anticorpos da mãe para o feto. E esse cuidado não deve ser tomado apenas uma única vez na vida. Caso tenha mais de uma gestação, é importante tomar a vacina em cada uma das vezes que ficar grávida.

Essa vacina é totalmente segura para as grávidas e para o feto. E ela é distribuída gratuitamente na rede pública de saúde. Basta a gestante chegar com a sua carteirinha do SUS e carteirinha de vacinação para tomar a dose. (Caso não tenha a carteirinha do SUS, ela pode ser feita na hora. Se não tiver a carteirinha de vacinação, a gestante se vacina da mesma forma e leva para casa um comprovante). Se preferir, a vacina também está disponível na rede privada. E ela é absolutamente igual à vacina distribuída na rede pública.

Caso tenha mais dúvidas sobre a doença e a importância da vacinação, sugiro que leia esse post, escrito pelo Dr. Flávio Melo, médico pediatra, que fez um texto claro e extremamente informativo alertando sobre os riscos da coqueluche e o aumento de casos no Brasil: A coqueluche está de volta.

E para concluir, deixo aqui um pedido: ajude a disseminar a importância da vacinação contra a coqueluche em gestantes. Realizando a sua imunização (tomando a vacina) e postando nas redes sociais o seu depoimento junto com a hashtag #VacinaDaCoqueluche. Se você fizer sua parte tomando a vacina e compartilhando para outras gestantes, com certeza, muito mais bebês estarão protegidos. Você terá feito a sua parte. E irá ajudar muitas outras mães que desconhecem a importância dessa vacina em todas as gestações.

Leia também: como ajudar a amenizar a reação às vacinas