Meu marido está sendo um bom pai-que-fica-em-casa, e isso é meio estranho | Macetes de Mãe

Meu marido está sendo um bom pai-que-fica-em-casa, e isso é meio estranho


8 de outubro de 2019

É bem mais comum ver ou conhecer aquela mãe-em-tempo-integral, aquela mãe que fica em casa com os filhos, não é? Mas às vezes nos deparamos com casos de pais assim, e isso pode soar meio estranho, meio incomum.

E mais estranho ainda, são pais que exercem essa função e ainda se saem muito bem com isso. Será que eles tem alguma fórmula mágica para lidar com essas situações, ou simplesmente se cobram menos nessa função? Acompanhe esse relato, uma livre tradução extraída do site Scary Mommy, que conta uma história dessas.

Meu marido está sendo um bom pai-que-fica-em-casa, e isso é meio estranho

Por Wendy Wisner

Eu fui uma mãe em tempo integral em casa, por cerca de 10 anos. Ainda sou uma mãe que fica em casa, porque trabalho em casa, seguindo os horários dos meus filhos. Meus filhos estão na escola agora, mas há ainda pelo menos seis horas com eles por dia – e mais algumas horas à noite, quando meu marido assume a tarefa de terminar o dia – horário em que eles não ficam “pendurados” em mim.

Embora eu não me considere mais uma mãe-em-tempo-integral-em-casa, lembro com certeza como era. Não me arrependo dos anos em que fui 100% para os meus filhos, mas não posso dizer que foi fácil. Eu já estava exausta de lidar com bebês e crianças pequenas que não dormiam. E enquanto eu adorava aqueles momentos de proximidade e conexão, minha memória é de uma vida que gira em torno dos horários das sonecas, copos de transição, lanches sem fim, birras – e fazendo tudo com pouquíssimas pausas e pouco apoio externo.

Novamente tenho algumas lembranças adoráveis ​​daqueles anos, e não posso dizer sinceramente que gostaria de fazer de outra maneira, mas conheci o estereótipo de uma mãe-em-tempo-integral-em-casa desgrenhada, sem banho, exausta e subestimada, cuja casa foi coberta de ponta a ponta com cereais e Legos. E às vezes eu achava a coisa toda bem deprimente.

É por isso que fiquei surpresa nos últimos verões ao ver meu marido fazendo as “coisas de quem fica em casa”, porque tudo parece muito mais fácil para ele do que para mim.

Meu marido é professor e, durante muitos anos, ele trabalhou em acampamentos e retiros de verão para crianças. Enquanto isso eu fiquei em casa com as crianças nesses últimos verões e, enquanto eu trabalhava, ele conseguia recarregar as baterias. Tudo bem, foram apenas alguns verões e nossos filhos hoje estão mais velhos e dormem bem, mas ainda há muito para ele fazer.

Neste verão, nem matriculamos nossos filhos em muitas atividades externas, então é tudo ele. Estamos chamando de “Acampamento do Papai”, e meu marido está passando o dia incentivando nossos filhos a sair das telas, planejando e implementando atividades divertidas para eles todos os dias, alimentando-os constantemente – tudo isso mantendo as tarefas diárias básicas da casa.

Ele está fazendo um trabalho fantástico e tenho sorte de poder acordar e começar a trabalhar sem me preocupar com a casa ou as crianças. Meu marido assumiu o papel de mãe que fica em casa sem problemas… mas é aí que as coisas ficam esquisitas para mim.

Vejo seu entusiasmo – o jeito que ele espera ansiosamente para me contar que aventuras ele e as crianças tiveram naquele dia, ou o jeito que ele parece ter uma coisa incrivelmente divertida para eles fazerem todos os dias – e penso comigo mesma, “Por que isso é tão divertido para ele?”

Leia também: Eu odeio a percepção da sociedade sobre a mãe dona de casa

Minhas lembranças de ter que pensar em coisas divertidas para fazer com meus filhos todos os dias pareciam tarefas domésticas. E, embora certamente houvesse dias em que eu chegaria em casa e contaria a meu marido algo legal que fizemos, na maioria dos dias eu estava apenas contando as horas até a hora de dormir.

Eu me pego perguntando o que estava fazendo de errado, mas também continuo pensando em como, embora eu fosse “boa” em ser uma mãe que fica em casa (sempre mantive as crianças felizes e a casa em ordem), eu simplesmente não aproveitei tanto quanto ele. Talvez eu não goste tanto quanto ele de fazer as coisas em casa. Então comecei a me perguntar se eu era uma mãe ruim…

Apenas digitando essas palavras agora, vejo como elas são ridículas. A culpa da mãe não acaba nunca, não é? Também vejo como meus anos como mãe que fica em casa eram realmente muito diferentes dos verões de meu marido como coordenador do “Acampamento do Papai”.

Veja também: 6 dicas caseiras para pais com crianças em casa

Primeiro de tudo, eu fiz isso por anos, não apenas um verão, e acho que o acúmulo pode realmente desgastar você. Além disso, meu marido trabalhava fora de casa e não tinha uma pessoa a mais por perto para segurar as pontas enquanto ele estava no banheiro ou fora de casa para executar uma tarefa como ele faz agora, comigo trabalhando em casa.

Mas também acho que talvez não esteja me lembrando direito das coisas, porque quando conversei disso com meu marido outro dia, ele realmente não sabia do que eu estava falando.

“Você foi a mãe dona de casa mais incrível de todos os tempos”, disse ele. “Você ofereceu aos nossos filhos muito amor e apoio para suas vidas jovens, e sempre o fez com muito mais paciência do que eu já tive.”

É engraçado como esse tipo de coisa funciona, não é? Ele viu isso totalmente diferente do que eu! Abençoe seu coração!

Acho que talvez o ponto principal seja que a diferença entre meu marido e eu – além do simples fato de quantos anos eu fiz isso e de quanto mais jovens meus filhos eram, ambos fatores importantes aqui, não é necessariamente que meu marido seja um pai “melhor” do que eu. Eu acho que ele não exerce tanta pressão sobre si mesmo para ser perfeito, ou mesmo para se divertir. Ele não analisa todos os seus movimentos se perguntando se ele é um pai “bom” ou “ruim”. Ele segue o fluxo mais do que eu já fiz. “Bom o suficiente” é realmente o suficiente para ele se sentir bem-sucedido como pai.

Claro, se ele estivesse fazendo isso todos os dias, por anos, isso poderia ter mudado. Mas acho que essa é uma lição importante para todas nós, e uma que eu poderia ter usado quando estivesse nos momentos de tristeza sendo a mãe que fica em casa.

Eu também acho que há bem menos pressão sobre os pais para serem “bons” na criação dos filhos, e eles podem até receber muitos elogios. Não sei dizer com que frequência meu marido chega em casa com um elogio de estranhos, mas eu nunca recebo. E mesmo que seja de fontes externas, tendemos a internalizar o que ouvimos, talvez esse seja outro fator que mantenha meu marido tão feliz.

De qualquer forma, esta é provavelmente uma boa hora para me lembrar que eu sou realmente uma ótima mãe – e você pode lembrar-se disso também, na sua casa. Mesmo que nem sempre eu me veja assim e, mesmo que muitos dias pareceram longos e intermináveis. O que as crianças mais precisam é de um pai que aparece todos os dias e se preocupa profundamente com os filhos. Mesmo que eu não seja perfeita, definitivamente sou todas essas coisas. E certamente isso é bom o suficiente.