O que eu aprendi com uma criança perdida em um lugar público | Macetes de Mãe

O que eu aprendi com uma criança perdida em um lugar público


26 de novembro de 2019

Passar pela experiência de ter uma criança perdida num lugar público é aterrorizante. Toda mãe que já passou por isso sabe do desespero e as que ainda não passaram com certeza já imaginaram um caso desses.

No texto de hoje, temos o relato de uma mãe norte-americana que passou por isso. Ela conta os momentos de desespero e quase loucura que tomam conta da gente numa hora assim. É importante tomarmos conhecimento para renovarmos nossas preocupações com a segurança dos pequenos em lugares públicos, sobretudo com grande movimento.

Uma livre tradução do site Scary Mommy, espero que gostem!

O que eu aprendi com uma criança perdida em um lugar público

Por Christine

Começo o texto dizendo que achei meu filho seguro e intacto! Ou melhor, ele foi devolvido para mim. Apesar de termos tido muita sorte, nossa família ficou muito abalada com a experiência e os infinitos “e se”.

Escolhi um dia para brincar em um parquinho de pula-pula e infláveis. Normalmente, não realizava excursões fora de nossa área e zona de conforto sem meu marido. Meus meninos têm 13 meses de diferença, o que sempre fez com que a logística fosse complicada e cansativa, principalmente quando eles eram pequenos. Mas eu era uma mãe em casa, no meio de um inverno rigoroso no meio-oeste, ansiosa para sair e desfrutar de alguma companhia de adultos. Peguei meus filhos de quase 2 e 1 anos e parti para uma diversão pra lá de necessária.

O lugar ficava num prédio, em um grande complexo comercial com ruas movimentadas nos arredores. Encontrei uma vaga de estacionamento bem na frente e levei meu filho mais novo para dentro, incentivando o mais velho a segui-lo. Reiterei pela milésima vez naquela manhã que eles iam me ouvir ou iríamos embora.

Alguns minutos depois, uma funcionária nos cumprimentou, pedindo desculpas pela espera e explicando que ela era a única ali. Com as crianças correndo animadamente e para todos os lados, rapidamente pagamos e entramos em um grande armazém. Sem mencionar isenções, regras ou políticas, a funcionária desapareceu.

A área era dividida em duas seções, divididas por uma parede com portas e repleta de enormes infláveis ​​de dois andares. As crianças estavam se divertindo e as mães estavam conversando do lado de fora quando a funcionária solitária anunciou que era hora de trocar de lado. Meu filho, que odiava mudanças assim, não quis sair dali. E eu estava levemente aborrecida por essa mudança inesperada. Eu peguei o bebê enquanto tentava pegar o meu filho mais velho para que pudéssemos seguir com o grupo, mas meu filho simplesmente não cooperou. Corri pelas portas para entregar o bebê a uma amiga e, quando me virei, meu filho mais velho tinha sumido. E ele não estava a mais de quatro metros atrás de mim.

Andei de brinquedos em brinquedo chamando seu nome. Havia um barulho alto dos brinquedos infláveis, que pensei que talvez ele não pudesse me ouvir. Mas com o tempo passando, sem sinal dele, comecei a entrar em pânico. Eu o imaginei preso e sufocando em algum lugar e quanto mais tempo levasse para encontrá-lo, mais perigo ele estava correndo. E eu estava completamente sozinha nesse espaço enorme, começando a me sentir realmente desesperada.

Leia também: Regras de Segurança do Berço

Acabei percebendo que tinham outras pessoas correndo comigo, então corri de volta para o espaço da entrada. Não estava lá. De volta aos brinquedos, nada também. Com minha cabeça agora girando, meus pés ainda correndo e gritando seu nome, vinham a cada momento pensamentos horríveis como ondas na minha mente. Lutei para impedir que minha cabeça explodisse.

Resistindo ao desejo de deixar a histeria me dominar completamente, respirei fundo e me virei quando uma mulher veio com meu filho pela porta da frente. Quando caí de joelhos para segurá-lo, a mulher ainda falou que eu realmente deveria ficar de olho no meu filho. Que droga! Mas sinceramente, não a culpo.

Ela o encontrara em um outro prédio, do outro lado de uma rua movimentada e do estacionamento. Ele não deve ter me visto levar o bebê para a amiga e pensou que, como “ele não estava ouvindo, tínhamos saído”. Então, ele saiu me procurando enquanto eu estava dentro, procurando por ele.

Nunca esquecerei do medo que senti naquele momento e como fiquei aliviada ao vê-lo são e salvo. Esse sentimento tão intenso ficou comigo por semanas. Evitei levar as duas crianças em lugares grandes, lotados ou desconhecidos por muitos anos, porque não estava confiante de que poderia acompanhar os dois, principalmente quando eles estavam andando. E isso passou para o meu filho também, até hoje ele não gosta de andar muito em público.

Agora, quando levo as duas crianças, pesquiso sempre os locais. Leio os comentários. E me asseguro de que eles têm políticas rígidas e mais de um funcionário, principalmente um vigiado a saída. Valorizo também empresas que colocam pulseiras nas crianças com nossos nomes.

Leia também: Dicas de Segurança na Casa – Como evitar acidentes comuns

Eu sempre tive um medo terrível da água, mas perder uma criança em terra firme colocou as coisas em uma perspectiva totalmente nova. Eu não poderia levá-los para praias, piscinas ou parques com água sem meu marido. Não havia como eu gerenciar com segurança duas crianças pequenas. Eu tinha medo que, se fosse com amigos, me distraísse com a conversa ou ignorasse completamente as coisas enquanto algum filho se perderia ou correria perigo. Meus filhos precisavam de um adulto por filho. Por isso, recusamos muitos convites nos próximos anos.

Também tomei cuidado com quem nos aventuramos. Pais com expectativas e estilos parentais semelhantes me fazem sentir como se estivesse minimizando o risco de perder um dos meus filhos em um lugar cheio. Se todos os adultos estiverem na mesma página, seria mais fácil manter um grupo de crianças muito animadas em um ambiente desconhecido.

Não acredito que o que aconteceu conosco tenha sido culpa de alguém, nem mesmo minha. Qualquer pessoa com crianças pequenas sabe com que rapidez as coisas ruins podem acontecer. Toda a preparação do mundo não pode manter nossos filhos 100% seguros. Então eu aprendi a nunca me descuidar completamente.

Isso é especialmente importante para minha família porque, enquanto meu filho mais velho aprendeu uma lição valiosa, meu filho mais novo não se lembra da experiência. E ele, como muitos ‘segundos filhos’, não têm medo de nada.

Eu e meu filho mais velho aprendemos uma lição valiosa naquela manhã. Não tomei como certo o que poderia ter acontecido. O medo de não saber onde ele estava foi quase igual ao que senti quando percebi onde ele estava. Quando eu saí daquele prédio e vi vários carros passando pelo estacionamento, imaginando meu filho de 2 anos vagando sozinho, o tempo parou. Fui tomada não apenas pela realidade do que poderia ter acontecido, mas também pelo milagre de que ele, agora, estava seguro no meu carro.