Seu filho precisa de óculos? Faça o teste rápido! | Macetes de Mãe
seu filho precisa de óculos

Seu filho precisa de óculos? Faça o teste rápido!


2 de julho de 2019

Com seis meses de idade, o pediatra do Leo pediu que eu o levasse para uma consulta com um oftalmologista. Lembro que, na época, pensei: “Aff, excesso de zelo! Pra quê? Tão novinho”. E para completar a minha “ignorância”, sequer questionei o motivo dessa solicitação.

Meses mais tarde, quando Leo estava com 1 aninho, levei uma “bronca” do médico por não seguir sua indicação. Ele fez o alerta: “Shirley, é muito importante avaliar a saúde visual das crianças a partir dos seis meses de idade. E a cada seis meses a partir daí para saber se seu filho precisa de óculos. E isso ainda mais quando há casos de problemas de visão na família. Como é o caso do Leo, cujo pai e tios têm diferentes tipos de problemas desde bastante jovens”.

Na mesma semana, corri com o Leo para uma consulta com um oftalmologista. E a partir daí, a cada seis meses, agora levo tanto ele quanto o Caê. Até o momento, tudo tranquilo, mas temos que seguir acompanhando de perto. Pois, pelo histórico familiar, eles têm maiores chances de apresentar problemas.

Mas enfim, por que é tão importante checar a saúde oftalmológica das crianças desde cedo?

seu filho precisa de óculos

Porque, quanto antes um problema for identificado, mais fácil será o seu tratamento e melhor a chance de sucesso.

E como será o tratamento?

Depende do problema. Se for identificada catarata, pode ser necessária cirurgia, mas isso é raro. O mais comum são problemas como miopia, astigmatismo e hipermetropia, que se corrigem com o uso de óculos de grau.

E como identificar se meu filho está com algum problema de visão e precisará usar óculos?

O mais importante e confiável método de identificação do problema é a consulta com um oftalmologista. Nada substitui a consulta junto a um médico especialista. Mas alguns detalhes no comportamento da criança podem ser observados também:

Reclamar de dor de cabeça:

Um dos sinais característicos de problemas de visão é a queixa de dor de cabeça. Localizada na testa, principalmente quando a criança precisa focar a visão em algo (brincar, ler, jogar, ver TV).

Aproximar-se de eletrônicos:

Sentar-se próximo à TV ou aproximar muito o rosto de tablets e smartphones.

Coordenação motora prejudicada:

Crianças que a todo momento esbarram em objetos ou caem podem ter, na verdade, miopia. Quando um olho tem um grau de miopia ou de hipermetropia maior que o outro, a criança perde a visão de profundidade, o que prejudica a coordenação motora. Com isso, ela tende a esbarrar em móveis, demorar mais tempo para começar a andar e até ter dificuldade de participar de brincadeiras como corrida ou jogos com bola. Esses foram exatamente os sintomas que levaram uma amiga a desconfiar que seu filho tivesse algum problema de visão. Que após consulta com especialista, foi confirmado.

Fechar um pouco os olhos para conseguir enxergar:

No caso da miopia, a criança tende a apertar os olhos ou aproximar os objetos para conseguir enxergar. Como se estivesse tentando melhorar o foco.

Pintar fora das bordas do desenho:

Em idade escolar, crianças que pintam muito fora da borda dos desenhos (quando já deveriam fazer isso de forma razoavelmente adequada) podem estar com problema de hipermetropia.

Coçar os olhos ou olhos lacrimejando:

Coçar os olhos insistentemente ou então ter os olhos lacrimejando com frequência podem ser sinais de dificuldade de visão.

Incômodo com a luminosidade:

Outro alerta para o problema é o incômodo exagerado com lugares iluminados ou com a luz do sol.

Andar de cabeça baixa:

Ainda sobre o estrabismo ou mesmo desequilíbrios no músculo ocular, eles causam dupla visão das coisas, então a criança pode andar de cabeça baixa para se sentir mais segura e evitar a queda.

Dificuldades na alfabetização:

Se seu filho precisa de óculos, os problemas oculares não permitem ler palavras ou frases e os levam a adotar como costume seguir a leitura com o dedo, como se estivesse criando um espaço entre as letras. Seu desempenho escolar também pode ficar prejudicado, parecendo que ela leva mais tempo para entender ou aprender as coisas.

Influência genética:

Por fim, muitos problemas de visão têm influência genética. Ou seja, é mais comum aparecerem em crianças cuja família tem algum outro membro que apresente o mesmo problema. Sejam pai, mãe, avós ou tios.

E como escolher as armações e as lentes ideais se seu filho precisa de óculos?

Descobrir o quanto antes que a criança tem um problema de visão – miopia, hipermetropia, astigmatismo – e corrigi-lo com o uso de óculos trata-se de um cuidado fundamental para evitar prejuízos futuros no seu desenvolvimento psicomotor. Mas existe outra decisão importante a ser tomada nesses casos. E que também pode ter impacto no processo de aprendizagem e desenvolvimento: o tipo e a qualidade das armações e lentes dos óculos.

No caso das armações, não há muitos detalhes a serem observados. O ideal é que sejam leves mas, ao mesmo tempo, de um material resistente, que se adaptem bem ao tamanho da cabeça e do rosto da criança (nem grandes, nem pequenas demais, o tamanho exato!) e que possam ficar firmes atrás das orelhas (muitas tem acessórios que são adaptados nessa parte da armação para segurar melhor atrás da orelhinha).

Já no caso das lentes indicadas para crianças, a escolha é algo bem mais sensível, já que diversas (e importantíssimas) características devem ser observadas:

Resistência à quebra:

Garantir que a lente tenha alta resistência à quebra. Afinal, criança brinca, corre, se diverte e aí, apesar dos impactos, a lente deve “sobreviver” e garantir a segurança da criança. O material mais indicado para lentes é o policarbonato, que suporta grandes impactos.

Serem leves:

De nada adianta buscar uma armação leve, para que a criança se adapte mais fácil e sinta-se confortável, e depois optar por uma lente pesada e desconfortável no rosto.

Proteção contra luz azul de telas:

Ter proteção contra a luz azul das telas de celulares e tabletes. Esse é um detalhe que muita gente não observa porque, simplesmente, nem sabe a respeito dele. A verdade é que nossos filhos, por mais que a gente monitore e controle, hora ou outra estarão em frente ao um smartphone ou tablet e aí, a luz azulada desses devices pode prejudicar ainda mais a sua visão (luz azul emitida pelas telinhas atrapalha o ciclo do sono e machuca a retina das crianças).

Lentes com foco em áreas periféricas:

Quem usa óculos perde parte do seu campo visual, por mais fina que seja a armação. É por isso que lentes que trazem focos nas áreas periféricas são tão importantes para o desenvolvimento motor das crianças.

Lentes com proteção a raios solares:

Os raios UVA e UVB, que a criança tem contato quando está ao ar livre passeando, brincando, indo para a escola, enfim, em diversos momentos do dia, podem lesar a retina dos seus filhos e não apenas a pele deles, como estamos já acostumados a saber.

Garantir que a lente reproduza fielmente a receita do médico:

Assim que os óculos da criança estiverem prontos, devem ser levados até o oftalmologista que emitiu a receita para ele verifique e confirme que está tudo certo.

Em resumo, as lentes escolhidas devem apresentar excelente qualidade. Afinal, trata-se da saúde da visão e do desenvolvimento psicomotor da criança. E, nesse sentido, vale destacar um lançamento que acabou de chegar no Brasil: as lentes ZEISS Kids. Da empresa alemã Zeiss, que apresenta todos os atributos que eu citei acima para garantir a segurança dos pequenos na hora da escolha das melhores lentes.

Aqui, detalho um pouco melhor isso para vocês não ficarem com dúvidas:

Bloqueio da luz azul de telas:

O tratamento Duravision BlueProtect das lentes ZEISS Kids bloqueia as luzes azuis das telas de celulares e tabletes, o que já ajuda a evitar esse problema. Mas lembrando sempre que o acesso da criança a smartphones e tabletes deve ser sempre controlado. E não ultrapassar 20 a 30 minutos por dia, no máximo. Para saber mais sobre o acesso de crianças a tablets/celulares/TV, clique e confira o POST que fiz e um VÍDEO para o Canal MdM.

Lentes com foco nas áreas laterais:

As lentes ZEISS Kids  empregam a tecnologia Freeform, que produz a lente a partir de um cálculo preciso e individualizado das necessidades de cada criança (grau receitado, distância entre os olhos, formato e o tamanho da armação). E assim, garantem mais foco nas áreas laterais,

Lentes leves e resistentes:

Também por conta da sua tecnologia Freeform, as lentes ZEISS Kids são lentes leves e resistentes. Atributo imprescindível para óculos de criança, tanto para uma maior facilidade de adaptação no uso quanto para o desenvolvimento das habilidades psicomotoras que dependem de uma boa visão.

Proteção contra raios ultravioletas:

As lentes Zeiss Kids contam também com filtros contra raios ultravioleta UVA e UVB. Através da tecnologia UVProtect.

E, por fim, as lentes ZEISS KIDS fornecem garantia de troca. Este é um outro detalhe que muita gente esquece de observar na hora de escolher a lente ideal para as crianças e que, na verdade, faz total diferença na hora de ter um maior ou menor investimento no óculos/lente escolhidos. Explico: conforme a criança cresce, o globo ocular dela também se desenvolve e, assim, o grau tende a mudar. Por esse motivo, é importante que você escolha uma fabricante de lentes que garantam trocas periódicas sem custo adicional. Para que você não tenha que ficar gastando mais do que o previsto com esse acessório.

E aqui, vale ressaltar que a Zeiss Kids, uma das principais fabricantes mundiais de lentes para óculos infantis. Eles garantem duas substituições de lentes dentro de um ano e ainda tem garantia de doze meses para troca por quebras (caso venham a acontecer por algum tipo de acidente).

Para finalizar, deixo vocês com um vídeo bem simples e didático produzido pela ZEISS kids (veja abaixo). E também um conselho pessoal: não espere o primeiro sinal de alerta para levar o seu filho ao oftalmologista. A partir de 6 meses você já pode levá-lo para uma avaliação. Ainda, quando ele começar na fase da alfabetização isso é extremamente indicado. E sempre, claro, priorize a escolha de materiais (armações e, principalmente, lentes) de qualidade.