Mães que amamentam e que bombeiam leite no trabalho merecem mais apoio | Macetes de Mãe

Mães que amamentam e que bombeiam leite no trabalho merecem mais apoio


29 de janeiro de 2019

Este texto fala de uma grande dificuldade que muitas mães enfrentam, que é a volta ao trabalho e a necessidade de bombear o leite para continuar com a amamentação dos seus filhos.

Nesta livre tradução do site Scary Mommy, Jorrie Varney conta sua experiência e as dificuldades enfrentadas por ela para continuar amamentando. De um ponto de vista americano, com leis específicas sobre a amamentação e licença maternidade, ela relata o seu desafio. Leia você também e conheça essa história.

Mães que amamentam e que bombeiam leite no trabalho merecem mais apoio

Por Jorrie Varney

Não importa o quanto você esteja preparada, a maternidade é difícil. Você nunca sabe quando vai chorar por uma meia perdida. Ou talvez não seja uma meia, talvez seja um bebê que não dorme, uma criança que se recusa a comer ou um adolescente que acha que sabe tudo. As partes duras da maternidade não são universais. Algumas mulheres curtem a gravidez, enquanto outras não. Algumas amam a fase do recém-nascido, mas sofrem com os desafios da infância. Algumas de nós ainda curtem a adolescência. Somos todas incríveis por nossa conta.

Eu já sou mãe há sete anos e ainda não posso dizer qual é a minha fase de especialidade. O que eu posso te dizer é onde eu tenho batalhado – na amamentação.

A amamentação foi meu primeiro grande obstáculo. Eu realmente queria superá-lo, porque a amamentação era importante para mim. Eu fiz isso por sete meses com meu primogênito, e embora eu tenha muito orgulho disso, a minha jornada de amamentação foi mais curta do que eu esperava que fosse.

Houve muitos fatores que afetaram minha experiência – ser mãe pela primeira vez, depressão e ansiedade pós-parto, bloqueios, protetor de mamilos e estresse, só para citar alguns. O estresse veio com tudo, mas quando voltei ao trabalho, notei um aumento considerável. Minha filha tinha 10 semanas de idade e ainda mamava na época, por isso era necessário bombear leite materno no trabalho para preparar suas mamadeiras e manter a amamentação.

Leia também: 5 dicas para não descuidar da alimentação durante a amamentação 

Quando perguntei onde poderia bombear o leite no meu primeiro dia de volta, indicaram-me um banheiro antigo que não estava em uso. Era limpo e não estava sendo usado ativamente, mas ainda assim era um banheiro – com uma privada, uma pia e nenhuma cadeira. Não, obrigada. Eu defendi algo um pouco menos desagradável e recebi um upgrade para um escritório desocupado. Isso teria sido ótimo se o escritório também não abrigasse a impressora usada pelos funcionários do sexo masculino e feminino.

Mais vezes do que posso contar, e apesar do sinal de ocupado na porta, pessoas entraram na sala no meio do processo. Eu me certifiquei de sempre ficar longe da porta, porque apesar de ser algo completamente natural, eu não queria compartilhar meu leite materno com o Todd, da contabilidade. Minha única alegria foi ver muitos deles entrarem em pânico no momento em que perceberam o que eu estava fazendo. Oi, sim, meus peitos estão pra fora, aqui está sua planilha.

Encontrar um lugar para bombear o leite não foi o único problema que encontrei no trabalho. Algumas pessoas pareciam estar incomodadas com a ordenha. Eu usei meus intervalos e nunca pedi tratamento especial, mas isso não impediu que os olhos se voltassem para mim com a simples menção de bombear o leite. Um colega de trabalho até sugeriu que eu mudasse para fórmula, porque “parecia muito mais fácil”.

Entre as acomodações menos-que-privadas e comentários impertinentes, eu senti como se estivesse incomodando a todos, quando na realidade as únicas pessoas realmente sendo incomodadas eram eu e meu bebê.

Leia também: Amamentação e a volta ao trabalho: como conciliar?

Eu não sou a única que experimentou esse tipo de tratamento relacionado a bombear o leite. Eu não tenho certeza como chamá-lo, mas a palavra besteira vem à mente, porque realmente não deveria ser tão difícil. É fácil culpar as leis, porque não é nenhum segredo que a licença maternidade nos Estados Unidos é uma piada. Se as mulheres tivessem permissão de sair mais, provavelmente enfrentaríamos menos problemas quando voltássemos ao trabalho, mas isso é mais do que apenas leis.

Leis nos permitem amamentar onde quisermos, mas isso não impede as pessoas de dificultarem isso para nós. Nos pedem para encobrir, deixar lugares públicos, ou zombam publicamente e nos humilham enquanto tentamos alimentar nossos bebês. As leis também determinam que os empregadores devem fornecer um lugar para uma mulher bombear o leite quando ela voltar ao trabalho, mas posso garantir que isso também é bem difícil para nós.

E para responder à sua próxima pergunta… sim, poderíamos trazer esses problemas aos nossos superiores, talvez apresentar uma queixa, forçá-los a fornecer as acomodações que a lei diz que merecemos – mas a que custo? Aquelas de nós que estiveram em situações como essa, sabem que não é tão simples assim. Se você solicitar espaços diferentes ou registrar uma reclamação, poderá ser rotulada como problemática ou considerada difícil de trabalhar. Mesmo que esteja apenas pedindo o que a lei diz que merece. Bons tempos #sqn.

A triste verdade é a seguinte: você tem a sorte de trabalhar em um ambiente de apoio ou não.

As leis são ótimas, mas garanto que as pessoas podem obedecê-las ou não, a contragosto. O último é o que muitas mães novas enfrentam quando voltam ao trabalho. É a mentalidade “vou fazer isso, mas só porque preciso” e é grosseira e inaceitável.

A maternidade precoce é bastante difícil, com seus desafios necessários. Algumas de nós são forçadas a voltar ao trabalho, não porque queremos, mas porque nossas condições financeiras não nos permitem ficar em casa. Nós literalmente não temos escolha senão voltar a trabalhar com a nossa bombinha de leite no ombro. Fazendo o nosso melhor para ser uma boa mãe e uma boa funcionária. Muitas de nós não querem deixar nosso bebê. Nós preferimos estar em casa, amamentando nossos bebês no conforto da nossa sala de estar, do que bombeando em um armário e sendo tratadas como um inconveniente. Os empregadores precisam fazer melhor. As leis sobre amamentação e bombeamento de leite estão lá… agora precisamos do apoio.